PEC 55

Manifestantes saíram às ruas do centro de Curitiba, no fim do dia, e início da noite de terça-feira, 13/12/2016, para demonstrar insatisfação contra Proposta de Emenda Constitucional, a PEC 55, que estipula o teto nos investimentos governamentais.

Como pede o protocolo, começou tranquilo e terminou tenso. 

Teve gente consciente, pacifista e de idade, mas tiveram agências bancárias quebradas, a sede do jornal Gazeta do Povo também, fogo no lixo na Rua XV... mas o que mais me chamou atenção foi a quantidade de pixos.
O tanto de pichações que ficaram pelo centro acho que conseguem demonstrar bem o tamanho da indignação e revolta pelo momento que todos estamos vivendo. São as marcas do descontentamento que vão ficar por dias espalhadas por aí. Ajuda a não esquecer. 


Não fui até o final do ato para ver a dispersão, se foi tranquila ou se a polícia resolveu agir. Quando estava mais ou menos perto de casa, já tinha as fotos que queria, estava tarde e já tinha escapado de duas pedradas endereçadas a mim, resolvi ir embora. Saber a hora de parar é sempre importante e seguro.

IMG_0027_.jpg
IMG_0019_.jpg
IMG_0036_.jpg
IMG_0070_.jpg
IMG_0099_.jpg
IMG_0145_.jpg
IMG_0163.jpg
IMG_0432_.jpg
IMG_0182_.jpg
IMG_0122_.jpg
IMG_0147_1.jpg
IMG_0256_.jpg
IMG_0192_.jpg
IMG_0221_.jpg
IMG_0223_.jpg
IMG_0345_.jpg
IMG_0417_.jpg
IMG_0379_.jpg
IMG_0141_.jpg
IMG_0305_.jpg
IMG_0341_.jpg
IMG_0050_.jpg
IMG_0119_.jpg
IMG_0447_pb.jpg
IMG_0155_.jpg

Mai algumas fotos aqui.

Ocupação Complexo do Alemão - Rio de Janeiro

Em 28/11/2010, seis anos atrás, acontecia a maior operação militar dos últimos tempos e talvez a maior da história do Brasil.

O dia que se seguiu de uma semana tensa na cidade do Rio de Janeiro, algo que não querem chamar de guerra civil há décadas, mas que não tem outra explicação. Se usam armas e veículos de guerra, é uma guerra. O estado contra os agentes do tráfico de drogas e a população, civil, no meio.

Como eu cai nessa:
Fui para o Rio participar de um congresso da ARFOC e como estava por lá, com câmera e tudo, por que não ir acompanhar o que iria acontecer no dia da invasão?
O complexo é muito longe do centro e área nobre/turística, onde a vida seguia normalmente, o que me veio a mente anos depois em Istambul: Em uma rua o pau come e na outra os turistas seguem se divertindo sem nem saber de nada.

Nenhum taxista queria me levar, disseram que me deixariam 1km antes e queriam cobrar a maior grana por isso. Sem chance! Aprendi a ir de metrô até uma estação “próxima” e ao sair da estação encontrei ruas vazias, mas de longe um táxi se aproximava rápido. Andei até o meio das quatro pistas e pedi para parar, também ouvi que seria deixado 1km antes. Ok, vou andar 1km, pensei.  Em poucos minutos porém, depois de algumas curvas demos de cara com dois “caveirões” e eu só disse: Me deixa aqui mesmo.
Era uma das saídas principais do complexo, a parte de trás onde tinha uma grande concentração de blindados do exército e polícia. Polícia Civil, Militar e Federal. Peguei a câmera, vesti o colete e já comecei fotografar enquanto esperava o troco do táxi. Saio, olho ao redor para me localizar e nisso passa um helicóptero voando muito baixo, a ficha caiu. Começou.

Poucos meses antes tinha passado por um curso do Exército Brasileiro sobre cobertura de conflitos, então estava tudo fresco na cabeça. Simulações, treinamento em ambientes virtuais (COD) e feeling deram a segurança para saber como se deslocar, evitando se expor e acredito ter sido o que me tranquilizou, principalmente logo no início da manhã. Em poucas horas todo o complexo estava ocupado; não estava totalmente seguro, mas estava ocupado e o clima de tranquilidade era visível.

Conto mais histórias um dia, para quem quiser ouvir.

CAPA-Complexo_Alemão_MuriloRibas.jpg
IMG_0187.jpg
IMG_0317.jpg
IMG_0059_.jpg
IMG_0166_.jpg
IMG_0365PB.jpg
IMG_0082.jpg
IMG_0061_.jpg
IMG_0114_.jpg
IMG_0261_.jpg
IMG_0251.jpg
IMG_0290_.jpg
IMG_0023_.jpg
IMG_0286.jpg
IMG_0194_pb.jpg
IMG_0275_.jpg
IMG_0310(2).jpg

Holga - 35mm

Semana passada levei revelar um filme que estava, há mais de um ano, na Holguinha.
A Holga 135BC é uma câmera toda de plástico, corpo e lente, uma toy camera vermelha e branca (da para ver no reflexo de uma das fotos), que mora na minha mochila e sempre esqueço de usar. Ela não tem muitos controles, apenas dois modos de exposição e umas três marcações de foco. É tipo uma versão genérica, das já genéricas Diana, das Lomos. Bem ruinzinha, mas bem legal... e da para brincar com múltiplas exposições. 
A qualidade é, claro, muito ruim, mas a sempre dúvida de como vai sair, o que vai sair, a espera, a demora, compensa e lembra como era fotografar com filme há mais de dez anos quando comecei a brincar com fotografia.
Holguinha =  Descompromisso com resultado e qualidade, e sempre rola um: "cadê aquela outra foto" ou "que pena que não saiu direito essa".

80640001_.jpg
80640002_.jpg
80640006_.jpg
80640008_.jpg
80640018_.jpg
80640027_.jpg
80640009_.jpg
80640014_.jpg
80640017_.jpg
80640019_.jpg
80640021_.jpg
80640023_.jpg
80640026_.jpg
80640037_.jpg
80640036_.jpg

Mais algumas fotos aqui.